DICAS DE PREPARAÇÃO

O chá é uma obra de arte e precisa de uma mão mestra que faça sobressair as suas mais nobres qualidades. (Kakuzo Okakura, O Livro do Chá, 1996, Fundação Oriente, p. 19)

 

Antes de revelar os segredos para a preparação de um chá maravilhoso, é importante sublinhar que em questões de gosto cada um encontrará o seu caminho, e o que aqui se pretende é a partilha de alguns detalhes que podem ajudar nesse percurso. 

Feita esta introdução, aqui ficam 7 princípios a ter em conta para um chá único: 

1. Escolher um chá de qualidade. À semelhança de um bom vinho, a qualidade de um chá depende de uma série de detalhes: características do chazeiro, região de origem ou terroir, condições de cultivo, tipo de colheita (seleção de folhas e rebentos e época do ano em que se realiza), modo de processamento das folhas entre outros. Os sistemas de classificação de chás diferem consoante o país de origem e o tipo de chá. A região de origem, o tamanho e a forma das folhas, bem como o método de produção dos chás são critérios de classificação relevantes. No caso do chá preto, o chá com maior amplitude de aromas e sabor resulta do método de produção ortodoxo, chá de folha inteira, feito a partir do botão terminal e duas folhas adjacentes, com a classificação FOP (Flowery Orange Pekoe) ou superior. Já o chá preto produzido através do método CTC (Crush, Tear, Curl) como o nome indica é um chá esmagado, que normalmente resulta de uma mistura de folhas partidas de menor qualidade, grande parte deste acaba em saquetas. No caso do chá verde, ou do chá Oolong, classificações como Finest Fine distinguem bons chás. Se este tipo de classificações pode ajudar na seleção de um chá, existem chás finos e raros para além destas designações, por vezes oriundos de pequenas produções e métodos artesanais. Visitar uma loja especializada em chás de folha permitirá compreender todo este universo de forma intuitiva: ao sentir o perfume das folhas de chá das mais variadas origens, apreciar a diversidade de cores e aromas, e conhecer um pouco da sua história vai com certeza encontrar o seu chá de eleição. Veja os espaços sugeridos em Lugares do Chá Recomendados.

2. Ter atenção à qualidade da água. O cheiro e o sabor do cloro da água da torneira vão refletir-se no chá. O melhor será usar água filtrada ou água mineral de boa qualidade. 

3. Respeitar o modo de preparação definido pela marca para o tipo de chá escolhido: temperatura da água, tempo de infusão, e nalguns casos número de infusões sucessivas e a sua duração. Estes são três fatores fundamentais para uma experiência de degustação plena. Um chá esquecido no bule, ou «queimado» por água à temperatura errada, tenderá a ganhar um sabor amargo, ainda que as suas folhas sejam de excelente qualidade. Apreciar o sabor de sucessivas infusões de alguns tipos de chá, em especial de chás Oolong ou Pu-Erh é uma experiência fabulosa. Por tudo isto, ao comprar o seu chá verifique se a embalagem define as três variáveis referidas, caso alguma esteja em falta, peça esclarecimentos.

4. Ter cuidado com a quantidade de chá e a dimensão do filtro usados. No que respeita à quantidade de chá: uma colher de chá (2g) por chávena (200ml) ou 5 colheres de chá (10g) para um bule de 1L são um bom ponto de partida. É fundamental ter em atenção a dimensão das folhas e do filtro usado: as folhas precisam de espaço para poderem abrir plenamente durante a infusão. Os bules de vidro, por exemplo, costumam trazer filtros amovíveis de dimensão adequada.

5. Despertar as folhas de chá antes da infusão. As folhas devem ser acordadas com um fio de água à temperatura recomendada para a infusão. Esta pequena porção de água aquece o bule e prepara as folhas para a infusão: liberta-as de eventuais impurezas e permite que abram ligeiramente. Com um novo brilho estão prontas para revelar as primeiras notas do seu bouquet de aromas...

6. Utilizar acessórios adequados a cada tipo de chá, e sobretudo que pela sua beleza, transmitam serenidade e harmonia. Na página de acessórios são apresentadas algumas sugestões.

7. Ter tempo para a preparação e degustação de um bom chá. Todo o ritual de preparação é parte essencial do culto do chá: a cor e o perfume das folhas, a beleza dos utensílios, os gestos suaves e tranquilos de cada passo contribuem para apaziguar o espírito e a mente, e ao mesmo tempo despertam os sentidos para o que vem a seguir. O estado de espírito ou ânimo é determinante no momento de degustação, um chá memorável só será possível em instantes de harmonia e bem-estar interior.

E mesmo a terminar de novo as palavras de Okakura:

Não há uma só receita para fazer o chá perfeito, tal como não há regras para produzir um Ticiano ou um Sesson. Cada preparo das folhas tem a sua individualidade, a sua afinidade especial com a água e o calor, as suas memórias hereditárias a recordar, o seu próprio método de contar uma história. (idem) 

 

Nota: O método de infusão que esteve na base deste texto foi o método Ocidental. Existem outros métodos de preparar um bom chá como por exemplo: o Gong Fu Cha próprio do ritual chinês.